Fonte Maior Fonte Padrão Fonte Menor
02 Out 2007
Diferenças entre o Arrebatamento da Igreja e a Segunda Vinda de Cristo
0 Comentários - Comentar  ::  Categoria: Pastorais e Estudos

Por: (*) Edemar Vitorino

ARREBATAMENTO DA IGREJA
· Será em segredo (Mt 24.36)
· Cristo vem para a Igreja (1 Ts 4.17)
· É iminente (A Qualquer Tempo)
· Antes da Grande Tribulação (Ap 3.10)
· Jesus vem nos ares (1 Ts 4.17)
· Os santos o verão (1 Ts 4.17)
· Tempo de Alegria (I Jo 3.2 Ap 1.6)
· Incredulos deixados (Mt 24.40)
· Em todo o Planeta

SEGUNDA VINDA DE CRISTO
· Será pública (Ap 1.7)
· Cristo vem com a Igreja (Judas 14)
· Quando Se Cumprirem os Sinais (Mt 24.29-30)
· Após a Grande Tribulação (Mt 24.29-30)
· Jesus pisa no Monte das Oliveiras (Zc 14.4)
· Todo olho verá (Ap 1.7)
· Tempo de Lamentacao (Mt 24.30 Sf 1.17)
· Incredulos destruidos (Mt 25. 41-46 Sf 1.17)
· Fisicamente em Israel (Zc 14.4)

OUTROS CONTRASTES ENTRE O ARREBATAMENTO E A SEGUNDA VINDA DE CRISTO:


1. No arrebatamento, os santos encontrarão com Cristo nos ares, ao passo que na segunda vinda, Cristo retornará ao Monte das Oliveiras, ao encontro dos santos na terra ( Zacarias 14:4,5 - “4 Naquele dia estarão os seus pés sobre o monte das Oliveiras, que está defronte de Jerusalém para o oriente; se o monte das Oliveiras será fendido pelo meio, do oriente para o ocidente e haverá um vale muito grande; e metade do monte se removerá para o norte, e a outra metade dele para o sul. 5 E fugireis pelo vale dos meus montes, pois o vale dos montes chegará até Azel; e fugireis assim como fugistes de diante do terremoto nos dias de Uzias, rei de Judá. Então virá o Senhor meu Deus, e todos os santos com ele.”)
 

2. No arrebatamento o Monte das Oliveiras ficará intocado; na Segunda Vinda, este monte será fendido ao meio, e se formará um grande vale a leste de Jerusalém. (Vide Texto Acima)

3. No arrebatamento os santos vivos serão arrebatados, ao passo que nenhum crente será arrebatado na segunda vinda de Cristo à terra.

4. No arrebatamento os santos serão levados para o céu; na segunda vinda, os crentes continuarão na terra, sem qualquer arrebatamento.

5. Após o arrebatamento o mundo continuará sem julgamento, e prosseguirá em seus caminhos pecaminosos; na segunda vinda de Cristo, o mundo será julgado, e a retidão será estabelecida.

6. O arrebatamento da igreja é o livramento dos crentes da “ira” que está por vir; a segunda vinda de Cristo é o livramento daqueles que confiaram em Cristo durante o tempo grande tribulação (da ira que veio!).

7. O arrebatamento é descrito como Iminente, ao passo que A Segunda Vinda de Cristo é precedida por sinais definidos.

8. O Arrebatamento Dos Santos Vivos é uma doutrina revelada exclusivamente no Novo Testamento; a Segunda Vinda de Cristo, com suas ocorrências correlatas, é uma doutrina que se destaca em ambos os testamentos.

9. O Arrebatamento será Invisível para os Impios; Na Segunda Vinda, todo olho verá o Senhor.

10. O Arrebatamento diz respeito exclusivamente aos salvos; a segunda vinda envolve tanto os salvos quanto os perdidos.

11. Quando do Arrebatamento Satanás não será amarrado; Na segunda vinda, Satanás será amarrado e lançado no abismo.

12. Não há nenhuma profecia a ser cumprida entre o tempo da igreja e o arrebatamento, ao passo que muitos sinais terão que ser cumpridos antes da segunda vinda de Cristo.

13. A Igreja é uniformemente exortada a esperar a vinda do Senhor, ao passo que aos crentes que estiverem vivos durante o período da tribulação se recomenda que aguardem sinais da volta de Cristo.

Clique na figura abaixo para ler a continuação desta mensagem!
     

Leituras adicionais recomendadas:-

O Fim Do Mundo 

Os Enganos Do Tempo Do Fim  

O TEMPO DO FIM

O Terceiro Templo ( A Reconstrução do Templo em Jerusalém )

 Os Quatro Cavaleiros do Apocalipse e os Sete Selos  

(*) Edemar Vitorino - é pastor evangélico, escritor,  conferencista ... Saiba mais...

 


30 Set 2007
A Arte de Preparar e Pregar Sermões
5 Comentários - Comentar  ::  Categoria: Pastorais e Estudos, Livros - Indicação

Por: (*) Edemar Vitorino

Curso Prático Para Pregadores

Desde 1975, quando iniciou o seu ministério, o Rev. Edemar Vitorino da Silva sempre procurou orientar e formar novos obreiros na arte da pregação.

Isto vem sendo feito tanto no ambiente da Igreja, como em Cursos de Formação de Obreiros e Seminários Teológicos, nos quais o Rev. Edemar Vitorino costuma ministrar a matéria de “homilética”, dentre outras.

Com o passar dos anos, objetivando melhor orientar as suas aulas, o Rev. Edemar Vitorino resolveu transformar seus estudos em lições escritas, que foram depois reunidas em uma Apostila denominada “Curso Prático Para Pregadores”.

No ano de 2002 a apostila foi publicada no site da Comunidade Virtual Shekinah, e disponibilizada para cópias. O sucesso foi tremendo! Centenas de cópias foram baixadas, e, a cada relatório de gerenciamento do site, esse arquivo era sempre o mais copiado.

Posteriormente, tendo o Senhor aberto a porta para a publicação, depois de passar por uma nova revisão, a  apostila foi transformada na Revista "Como Preparar Sermões", publicada pela Shekinah Produções Editora.

A revista tem sido espalhada para todo o Brasil, através da loja virtual Shekinah Produções, e tem sido uma ferramenta utilíssima para a formação de novos pregadores e semeadores da Palavra de Deus.

Em algumas igrejas os pastores estão organizando turmas e fazendo a aplicação do conteúdo da Revista no formato de um curso, denominado "Curso Prático para Pregadores".

O Rev. Edemar Vitorino declara que a prática dos princípios, orientações e conselhos contidos nessa Revista, certamente ajudarão os novos obreiros darem os primeiros passos como pregadores da Palavra de Deus, e darão as coordenadas necessárias para que esses obreiros possam desenvolver com maestria a gloriosa arte da Pregação.


Revista A Arte de Preparar e Pregar Sermões

(*) Edemar Vitorino - é pastor evangélico, escritor,  conferencista ... Saiba mais...

 


30 Set 2007
Pequenos Grupos
0 Comentários - Comentar  ::  Categoria: Pastorais e Estudos, Missões

Por: (*) Edemar Vitorino

A Melhor Estratégia de Evangelismo para Metrópoles!

"E todos os dias, no templo e de casa em casa, não cessavam de ensinar e de pregar Jesus, o Cristo." - Atos 5:42

Como já vimos anteriormente, é muito difícil a penetração da igreja nos lares de estranhos para a pregação do evangelho. O milagre, porém, pode acontecer, e, de repente, poderão se abrir dezenas de casas e centenas de caminhos novos e livres para o acesso da igreja. E acontecerá de maneira suave, tranqüila, sem alardes, sem a necessidade de muito marketing, e com custo quase zero para a igreja. Rapidamente, as muralhas que separam a igreja do povo ao redor cairão por terra, a igreja sairá das quatro paredes e em pouco tempo estará fazendo missões urbanas.

É a estratégia dos Grupos Familiares. Se apenas 20% dos membros da igreja se dispuserem a pagar o preço, o plano estará viabilizado. Para uma igreja de 150 membros, o rol seria dividido em 30 grupos de 5 membros, o que corrresponde a 20% do rol. Para uma igreja de 200, 40 grupos. E, assim sucessivamente. Basta que um quinto dos membros da igreja resolvam abrir as portas das suas casas, e o milagre da multiplicação acontecerá na igreja. Haverá um processo de crescimento que não terá mais fim. O método é infalível, imbatível. É bíblico.

Vamos agora fazer modestas projeções estatísticas, você se surpreenderá! Por exemplo, trabalhemos com os dados de uma igreja de 200 membros. Se os grupos se reunirem no mesmo dia, em um só dia haverá 40 cultos! Se cada grupo contar com a presença de quatro outros irmãos da igreja, 200 irmãos estarão participando destes cultos. Se pelo menos 03 visitantes não evangélicos comparecerem à reunião do grupo, semanalmente 120 pessoas estarão sendo evangelizadas. As perspectivas de crescimento são imensuráveis, porque cada pessoa que se converte traz outras consigo. Está escrito: "Crê no Senhor Jesus e serás salvo, tu e a tua casa" - Atos 16:31!

Os líderes de grupos serão devidamente orientados, treinados e verão que a liderança das reuniões é a coisa mais fácil do mundo! Em pouco tempo outros membros do grupo se habilitarão à direção. Alguns grupos crescerão rapidamente, e, ao atingirem o número de dez participantes, poderão ser desdobrados em dois, dando origem a um novo grupo. Para facilitar a comunicação e visando o bom funcionamento desta estratégia, poderão ser formados capítulos ou distritos por áreas geográficas, de oito ou dez grupos cada, sob a supervisão de um líder distrital.

Tem muita gente simpática à idéia de grupos familiares, que não apoia por não possuir o dom de pregar. Não é preciso. Qualquer pessoa alfabetizada estará habilitada a dirigir um grupo. As lições serão sempre distribuidas antecipadamente, com tempo suficiente para o estudo individual. Na reunião do grupo, o líder fará apenas os comentários conclusivos (que poderão ser lidos), dará as respostas (para dissipação de dúvidas) que terá recebido do líder distrital, e coordenará a reunião, cujo programa poderá ser: - um ou dois cânticos; leitura dos comentários conclusivos da lição; fornecimento de respostas; breves opiniões dos presentes; recolhimento de pedidos de orações; orações intercessórias; e a distribuição da lição seguinte.

Para atrair os vizinhos há muitas formas, além, é claro, do convite direto. Uma boa idéia é criar um formulário de Pedido de Oração, distribuir aos vizinhos para que preencham com os seus pedidos. Meia hora antes da reunião, alguém passa para recolher os pedidos e aproveita para convidar a pessoa para a reunião, a fim de conhecer aqueles que estão orando por sua vida.

Periodicamente os líderes de capítulos poderão promover festas, passeios e outras atividades entre os membros e participantes dos grupos da sua área de jurisdição, para propiciar maior comunhão.

O método de Grupos Familiares é bíblico. O Senhor Jesus treinou os seus discípulos, deu as orientações necessárias, e os enviou de casa-em-casa ( Lucas 9:1-6 ). Posteriormente, enviou outros 70 discípulos também de casa-em-casa ( Lucas 10:1-10 ), os quais regressaram "possuídos de alegria, dizendo: Senhor, os próprios demônios se nos submetem pelo teu nome!" - Lc 10:17. Qual o propósito do Senhor Jesus ao enviá-los? O prosseguimento da obra e a expansão do seu reino por todo o mundo.

A igreja apostólica se expandiu rapidamente pregando o evangelho publicamente e de casa-em-casa. "Partiam o pão de casa-em-casa..." Atos 2:46; "de casa-em-casa não cessavam de ensinar..." Atos 5:42; "publicamente e também de casa-em-casa." -Atos 20:20. Por dois anos Paulo pregava o evangelho dentro da sua própria casa - Atos 28:30-31; a igreja na casa de Lídia (Atos 16:40); a igreja na casa de Priscila e Áqüila (Romanos 16:3-5); a igreja na casa de Filemon (Filemon 2).

Sobre grupos familiares, vale a pena ler o Livro "Grupos Familiares e o Crescimento da Igreja", de Paul Yonggi Cho, publicado pela Editora VIDA, o qual narra em detalhes como se deu a plantação e o crescimento da Igreja Central do Evangelho Pleno em Seul, na Coréia. Esta igreja em 1961 tinha apenas 600 membros; após a implantação dos grupos familiares disparou a crescer, e não mais parou. Em 1992, na 10a edição do livro, que serviu para a minha consulta, esta igreja já ultrapassava a soma de 150.000 membros.

O Pastor Paul Yonggi Cho fez escola. Outras igrejas da Coréia adotaram o método e também dispararam a crescer. A Coréia do Sul é hoje um país com maioria evangélica, e possue as maiores igrejas do mundo. A maior igreja presbiteriana do mundo, e também a metodista estão situadas na Coréia do Sul.

Nas folhas 84 a 86 do seu livro, o Pastor Paul Yonggi Cho conta que certa feita foi ministrar no Japão sobre o crescimento da igreja e os japoneses ficaram céticos quanto a esta possibilidade para aquele país. Paul, mesmo sabendo do alto grau de rejeição dos japoneses pelos coreanos, escolheu uma senhora bem treinada da sua igreja e a enviou ao Japão com o desafio de plantar uma igreja e atingir 200 membros no primeiro ano, e fazê-la crescer para 1.000 membros. Já no primeiro ano esta missionária ultrapassou o alvo chegando a 250 membros. Para o ano seguinte seu alvo já era 500 membros!

Nestes tempos de metrópoles, não há método melhor para missões urbanas do que o sistema de grupos familiares. Ao redor da casa de cada membro da igreja há dezenas de famílias fechadas nas suas fortalezas que nunca atenderiam a um estranho. Contudo, você que é vizinho tem acesso a essas pessoas. Se insistir no convite elas irão à reunião do seu Grupo Familiar.

Uma forma de facilitar a aceitação do convite por parte dos convidados é servir um chá após as reuniões. Neste caso, as pessoas seriam convidadas para um "chá" seguido de breve momento de meditação. É uma estratégia boa. Funciona bem. A decisão de servir ou não o chá, ficará à critério de cada grupo, consoante entendimento prévio com o líder distrital

Os grupos familiares poderão ser fixos ou móveis. Com o desenvolvimento do programa, os líderes distritais perceberão isto, que determinados locais se mostram mais férteis, e poderá decidir pela fixação das reuniões do grupo nesses locais. Os líderes devem, contudo, perguntar sempre se alguém oferece a sua residência para hospedar a próxima reunião. Muitos visitantes solicitarão reuniões, e isto será ótimo, porque sempre que a reunião ocorrer em local diferente estarão aumentadas as chances de se alcançar outras pessoas, vizinhos e familiares do hospedeiro.

Obs.:  projeto aplicável em igrejas de todas as denominações:-históricas, ortodoxas ou conservadoras, e também igrejas pentecostais e neo-pentecostais.

+ Informações sobre Grupos Pequenos...

(*) Edemar Vitorino - é pastor evangélico, escritor,  conferencista ... Saiba mais...

 


28 Set 2007
Superando Injustiças
0 Comentários - Comentar  ::  Categoria: Crônicas da Vida

Por: (*) Edemar Vitorino

Todo ano, milhares de jovens fazem o vestibular. Quem vai julgá-los é o computador: aprova uns e reprova outros. Toda semana, filas de desempregados se formam à procura de emprego. Quem vai julgá-los é o patrão. Aceita uns e rejeita outros. No foro, se sucedem os tribunais. Quem julga é o Juiz. Absolve uns e condena outros. São sempre os outros que julgam e decidem. Quer queiramos, ou não, vez por outra somos submetidos a julgamentos dos homens, e somos vítimas da injustiça!

O Apóstolo Paulo também passou por isso! Só que ele não se deixou abater. Uns o tinham como um "IMPOSTOR" (2o Cor 6:9). Para outros, ele era "TRISTONHO" (2o Cor 6:10). Consideraram-no "LOUCO" (2o Cor 11:16). Olharam-no com "DESCONFIANÇA" (Atos 9:6). Diziam: "ELE AGE COM INTENÇÕES HUMANAS" (2o Cor 10:2). Outros diziam: "NAS CARTAS, ELE FALA FORTE, MAS, ESTANDO PRESENTE, A SUA PALAVRA É SEM VALOR" (2o Cor 10:10). Foi acusado de provocar "DESORDEM"(Atos 24:5) e de ser "CONTRA A LEI E A TRADIÇÃO" (Atos 21:20-24).

Se Paulo tivesse dado importância a esses injustos julgamentos, não teria sido o grande obreiro que foi! Mas ele não ligou. Antes, assim reagiu: "A mim pouco me importa ser julgado por vocês ou por um tribunal humano. Pois nem eu me julgo a mim mesmo. De nada me acusa a minha consciência. Contudo, nem por isso sou justificado. Meu Juíz é o Senhor!" (1o Cor 4:3,4).

Os vencedores são aqueles que agem como Paulo. Todos os que se deixam abater por alguma injustiça acabam derrotados! É preciso ser persistente quando se quer atingir um ideal. Desanimar em meio à caminhada, por não estar sendo compreendido, é não ter convicção do que se está fazendo, ou do alvo que se quer atingir. Já dizia um certo Filósofo: "É triste cair, mas, pior é jamais haver tentado subir.".

Não desanime, prossiga!

(*) Edemar Vitorino - é pastor evangélico, escritor,  conferencista ... Saiba mais...

 


28 Set 2007
Seis mil cristãos chegam a Jerusalém para Festa dos Tabernáculos
0 Comentários - Comentar  ::  Categoria: Reportagens

Jerusalém, 28 set (EFE).- Mais de 6 mil peregrinos cristãos chegaram a Israel para celebrar a Festa dos Tabernáculos com a população judaica, que lembra a passagem de seus antepassados bíblicos pelo deserto do Sinai.

É a maior peregrinação cristã deste ano, reunindo fiéis de 90 países. Todos os anos, a Embaixada Internacional Cristã de Jerusalém (EICJ), evangélica, organiza a procissão.

Os peregrinos, desfilando com os trajes típicos de seus países, acreditam que os judeus são membros do "povo eleito", e que no fim dos dias receberão Jesus Cristo como o messias que rejeitaram no passado e que ainda esperam.

Como nos anos anteriores, o Rabinato Central, instituição oficial do Estado israelense, proibiu que organizações judaicas participem do evento dos cristãos. Os rabinos argumentam que a EICJ é uma instituição proselitista.

O pastor Malcolm Hedding, diretor-executivo da Embaixada Cristã, negou hoje que os peregrinos tenham intenções de converter os judeus ao cristianismo.

"Instruímos claramente os peregrinos nesse sentido. Nunca promovemos ações desse tipo em Israel", comentou.

A presença dos devotos peregrinos, cuja Igreja conta só nos Estados Unidos com mais de 20 milhões de fiéis, significará uma renda de US$ 18 milhões para a indústria hoteleira em Jerusalém.

Matéria transcrita do: BOL Notícias


<< Recentes 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 51 52 53 54 55 56 57 58 59 60 61 62 63 64 65 66 67 68 69 70 71 72 73 74 75 76 77 78 79 80 81 82 83 84 85 86 87 88 89 90 91 92 93 94 95 96 97 98 99 100 101 102 103 104 105 106 107 108 109 110 111 112 113 114 115 116 117 118 119 120 121 Anteriores >>

Crônicas da Vida
Pastorais e Estudos
Eventos
Comunicações
Utilidade Pública
Humor
Reportagens
Mulher
Pesquisas & Estatisticas
Avivamento
Pedido de Oração
Datas Celebrativas
Fotos
Clips
Livros - Indicação
Missões
Ilustrações
Áudios de Mensagens
Oportunidades de Negócios


Facebook

Visitantes: 407783
Visitantes Online: 2
© Blog do Pastor - 2007 desenvolvido por